Portal do Governo Brasileiro

Inmetro verifica mais de 2000 taxímetros

 

De acordo com a Coordenação Técnica, após a aferição do equipamento, foi feita a emissão do selo de Qualidade do Inmetro com validação para o ano de 2018, e também a instalação de um lacre no equipamento; instrumentos que garantem a boa prestação do serviço de táxi.

O Superintendente do Inmetro/Surgo André Abrão, explica que todos os anos a verificação é feita em todos os veículos, embora ele alerte que o taxímetro que não receber o selo e o lacre do Inmetro, por alguma reprovação dos técnicos, não fica apto a funcionar e se o responsável pelo veículo insistir em rodar sem a aprovação do Instituto poderá ser autuado e multado. O valor da multa para esse tipo de irregularidade é de R$ 1 mil a R$1 milhão de reais. “O Inmetro faz a parte dele de verificação visando sempre o consumidor e a boa prestação do serviço. O taxista tem essa consciência e cumpre a responsabilidade dele”, adianta.

De acordo com o superintendente,“Além do taxímetro, o Inmetro verifica as condições do pneu visando a segurança do passageiro, confere se o aro da roda segue o mesmo tamanho registrado na vistoria anterior. Esses dois itens são importantes porque interferem na marcação da distância percorrida e no valor a ser cobrado pelo equipamento (podendo inclusive o taxista levar prejuízo). O taxista deve apresentar toda a documentação do carro em dia, incluindo a licença da prefeitura. Ao fim dos testes, o taxímetro é lacrado e recebe o selo do Inmetro para o exercício do próximo ano”, resume.

O taxista Firmino de Moraes, falou da importância do trabalho do Inmetro. “Com a verificação do Inmetro, além de dar segurança ao passageiro podemos saber também se estamos levando prejuízo nas corridas, pois às vezes muitos taxistas não sabem e trocam o aro dos pneus e acabam levando prejuízo ao final da corrida”, afirmou o taxista.

Esta verificação é obrigatória e ocorre também sempre que há mudança de tarifa.

O que o consumidor deve observar

O trabalho do Inmetro visa à proteção do cidadão e ele pode contribuir com essa ação. Caso o consumidor se sinta lesado por essa prestação de serviço, basta conferir se o selo que está no taxímetro tem validade para o ano vigente e se o lacre amarelo não foi rompido. O consumidor ainda pode exigir o Certificado de Verificação ao taxista. Caso ele não apresente, o taxista pode ser denunciado. Basta anotar a placa do veículo ou pegar o número da licença para a circulação e entrar em contato com a Ouvidoria do Inmetro/Surgo pelo número: 3237-35-42.